A Trabalho, Educação e Saúde (TES) é uma revista científica em acesso aberto, editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz.
ASphotofamily/Freepik

Desvelando o racismo na escola médica: experiência e enfrentamento do racismo pelos estudantes negros na graduação em Medicina

  • Vanessa Cristine Ribeiro Fredrich
  • Izabel Cristina Meister Coelho
  • Leide da Conceição Sanches
  • Vanessa Cristine Ribeiro Fredrich

    Faculdades Pequeno Príncipe, Curso de Medicina, Curitiba

    https://orcid.org/0000-0003-1944-4149

    ORCID:

    https://orcid.org/0000-0002-2571-5358

    Izabel Cristina Meister Coelho

    Faculdades Pequeno Príncipe, Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências da Saúde

    É médica pela Universidade Federal do Paraná (1989), com Residência Médica em Cirurgia Geral pela Universidade Federal do Paraná (1992) e Cirurgia Pediátrica no Complexo Hospitalar Pequeno Príncipe (1995). Mestre em Clínica Cirúrgica pela Universidade Federal do Paraná (1999) e Doutora em Clínica Cirúrgica pela Universidade Federal do Paraná (2003).

    Leide da Conceição Sanches

    Faculdades Pequeno Príncipe, Programa de Pós-Graduação em Ensino das Ciências da Saúde



Resumo

O Brasil sofre os efeitos do racismo científico, do mito da democracia racial e da política de embranquecimento. Em 2019, 28% dos/as estudantes egressos/as de cursos de Medicina no Brasil eram negros/as. Com os objetivos de desvelar as formas de manifestação do racismo na graduação de Medicina e compreender como estudantes negros/as enfrentam o racismo, conduzimos uma pesquisa exploratória e qualitativa, segundo o método de Minayo, por meio de entrevistas semiestruturadas on line e auxílio do software ATLAS. ti9®. Com um referencial teórico-crítico, percebemos que as dimensões do racismo internalizado, interpessoal e institucional se sobrepõem, evidenciando seu caráter estrutural, atrelado ao desenvolvimento histórico-econômico de nosso país. A crença de inferioridade dos/as estudantes negros/as é reforçada em nível interpessoal nos olhares, piadas ou comentários sobre o cabelo. Em nível institucional, nega-se a necessidade do estudo da saúde da população negra, enquanto a baixa representatividade no corpo docente e discente não é percebida como expressão do racismo. A identificação racial, a organização em coletivos e a existência de amparos legais são fundamentais, mas o efetivo enfrentamento do racismo na escola médica requer a crítica ao sistema econômico que sistematicamente privilegia pessoas brancas.

Foto: ASphotofamily/Freepik

Palavras-chave

Racismo,
Educação médica,
Saúde da população negra

Download


Métricas

  • Visualizações - 1006

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2022 Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.