A Trabalho, Educação e Saúde (TES) é uma revista científica em acesso aberto, editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz.

As novas institucionalidades do trabalho no setor público: os agentes comunitários de saúde

  • Jacob Carlos Lima
  • Fernanda Flávia Cockell
  • Jacob Carlos Lima

    Professor titular do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP). Pós-doutor pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT).

    Fernanda Flávia Cockell

    Pesquisadora do Grupo de Estudos Trabalho e Mobilidade Social do Departamento de Sociologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos, São Paulo, Brasil. Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de São Carlos.



Resumo

O artigo analisa o surgimento dos agentes comunitários de saúde como categoria de trabalhadores num contexto de flexibilização das relações de trabalho, numa dupla direção: na valorização da atividade do trabalho, maior autonomia, formação continuada e valorização de habilidades sociais como elementos primordiais na implementação de serviços sociais pelo Estado; e no caráter atípico representado por contratos de trabalho fora da estabilidade do funcionalismo, condição para a atividade desenvolvida, por um lado, e, por outro, fator de vulnerabilidade social do trabalhador pela preponderância de contratos de subcontratação, informais e outros marcados pela instabilidade da relação de trabalho.

Palavras-chave

trabalho flexível,
trabalho atípico,
vulnerabilidade social,
agentes comunitários de saúde

Download


Métricas

  • Visualizações - 9

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2022 Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio