A Trabalho, Educação e Saúde (TES) é uma revista científica em acesso aberto, editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz.

Centralidade e imaterialidade do trabalho: classes sociais e luta política

  • Henrique Amorim
  • Henrique Amorim

    Professor adjunto de Sociologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Guarulhos, Brasil. Doutor em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Pós-doutorado na École des Hautes Études en Sciences Sociales (EHESS) e na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp



Resumo

Os debates sociológicos, surgidos nos anos 1970 e nas décadas seguintes, que se estruturam em resposta à suposta crise do marxismo, partem de um pressuposto comum, a saber, a ineficácia da teoria marxista e de suas categorias analíticas fundamentais para compreender a realidade heterogênea das sociedades contemporâneas. O diagnóstico é simples: os conceitos de classe social, trabalho e luta de classes não dariam mais conta da dinâmica social de final do século XX e início do XXI. O objetivo central dessa perspectiva, no entanto, concentra-se não em localizar o problema, mas em generalizá-lo a toda bibliografia marxista. Se, por um lado, a crítica às concepções de classe social, de trabalho e de luta política restrita à fábrica é fundamental, por outro, não pode ser considerada como momento de superação da problemática teórica marxista. Neste ensaio, tenho a intenção de explicitar o ponto de partida e os limites das teses sobre a não centralidade do trabalho e sobre o trabalho imaterial como força produtiva central na medida em que farei uma leitura das classes sociais, do trabalho e da luta política diferente daquela criticada pelas teses que compõem esses deb

Palavras-chave

centralidade e imaterialidade do trabalho,
classe social,
luta política e marxismo

Download


Métricas

  • Visualizações - 17

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2022 Fundação Oswaldo Cruz, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio