A Trabalho, Educação e Saúde (TES) é uma revista científica em acesso aberto, editada pela Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, da Fundação Oswaldo Cruz.

Edição Atual | v. 7 n. 1 (2009)

Publicação contínua
Artigo

Gênero e jornada de trabalho: análise das relações entre mercado de trabalho e família

Dedecca, C S;
Ribeiro, C S M d F;
Ishii, F. H.

10.1590/S1981-77462009000100004

Gênero e jornada de trabalho: análise das relações entre mercado de trabalho e família

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) propicia, desde o início da década, informações sobre a existência e a extensão do trabalho em afazeres domésticos. Esta informação, acrescida da jornada no mercado de trabalho, possibilita a construção de um indicador sobre a intensidade da jornada total de trabalho no mercado e extramercado. Este ensaio analisa a intensidade da jornada total de trabalho para homens e mulheres, considerando as condições de inserção ocupacional, o rendimento familiar e o ciclo familiar. A análise explicita que mulheres em ocupações menos estáveis, de menor qualificação, maior renda e com filhos mais jovens tendem a ter jornadas totais mais longas quando comparadas às dos homens em situação ocupacional e familiar semelhante e às das mulheres com ocupações mais qualificadas, de mais alta renda e também com filhos jovens. Os resultados do ensaio indicam a necessidade de políticas públicas capazes de construir instrumentos de proteção às mulheres e que considerem a diferenciação social relacionada ao tipo de inserção no mercado. Ademais, o estudo aponta que as políticas de emprego não podem ficar restritas ao mercado de trabalho, necessitando também alcançar as condições de organização do núcleo familiar.


PDF

Fechar Mais informações

Artigo

Reflexões sobre a prática de tutoria com estudantes de terapia ocupacional

Santana, C d S;
Kebbe, L M;
, M M R P d;
Carretta, R Y D;
et al.

10.1590/S1981-77462009000100009

Reflexões sobre a prática de tutoria com estudantes de terapia ocupacional

*


PDF

Fechar Mais informações

Artigo

Educação do campo: notas para uma análise de percurso

Educação do campo: notas para uma análise de percurso

Este ensaio busca contribuir na construção de uma chave metodológica para interpretação do percurso e da situação atual da educação do campo, um fenômeno recente da realidade educacional brasileira, que tem os movimentos sociais camponeses como principais protagonistas. O texto inicia com uma análise da constituição originária da Educação do campo, identificando contexto, práticas e sujeitos. Em seguida, discute as tensões e contradições principais do seu percurso, especialmente as que se produzem na relação entre movimentos sociais e Estado, na afirmação de uma tradição pedagógica emancipatória e da luta por políticas públicas que garantam o acesso dos camponeses à educação escolar em seu próprio território. Por fim, são identificados alguns impasses e desafios principais da Educação do campo na atualidade, relacionando-os ao momento atual de crise mundial do capitalismo e como ela se materializa nas questões relacionadas ao trabalho do campo.


PDF

Fechar Mais informações

Artigo

As formas de aprendizagem mais significativas para os estudantes de enfermagem

Ferraz, L;
Krauzer, I M;
Silva, L. C. d.

10.1590/S1981-77462009000100007

As formas de aprendizagem mais significativas para os estudantes de enfermagem

Com o objetivo de conhecer as formas de aprendizagem mais significativas para os acadêmicos do curso de enfermagem de uma universidade situada na região Sul do Brasil, realizou-se uma pesquisa de natureza qualitativa com 37 acadêmicos no período de maio a junho de 2007. Os dados, inicialmente, foram coletados por um instrumento contendo apenas uma questão norteadora: "Qual é a forma que você melhor aprende o conteúdo?"; em seguida, reuniu-se um grupo focal com nove discentes, onde foi discutida e aprofundada a temática. Os resultados deste estudo apontam que esses acadêmicos de enfermagem aprendem melhor o conteúdo por meio de atividades teórico-práticas; onde podemos inferir que a aprendizagem se torna significativa para o estudante na medida em que ele visualiza a sua aplicabilidade no cotidiano das atividades executadas pela enfermagem.


PDF

Fechar Mais informações

Artigo

Subjetividade e trabalho na sociedade contemporânea

Subjetividade e trabalho na sociedade contemporânea

Este trabalho busca problematizar a relação sujeito-trabalho na sociedade contemporânea. De início, analisa as configurações dessa relação na história do ocidente, em especial a partir do final do século XVII. Num segundo momento, discute as especificidades dos novos processos de trabalho que vêm se consolidando em quase todo o planeta. A partir desse exame, constrói-se uma análise sobre as diferentes implicações sociopolíticas e subjetivas desta nova realidade da organização produtiva capitalista.


PDF

Fechar Mais informações

Artigo

Práticas sociais de estudantes de medicina na universidade pública: celebrações, eventos e cidadania

Rocha, G W d F;
Siqueira, V. H. F. d.

10.1590/S1981-77462009000100008

Práticas sociais de estudantes de medicina na universidade pública: celebrações, eventos e cidadania

Este artigo fundamenta-se em uma pesquisa empírica de cunho social em que são analisados os significados atribuídos por estudantes de medicina aos agrupamentos formados por eles próprios em uma universidade pública, indagando-se a partir daí sobre a relação desses espaços com o desenvolvimento da cidadania em uma sociedade de consumo na qual importantes deslocamentos estão ocorrendo. Obteve-se o material empírico através de observações em diversos cenários de convivência dos alunos e de entrevistas realizadas com estudantes de medicina, tendo como referencial teórico noções da educação crítica e do pós-estruturalismo. Os resultados revelam que são hegemônicas no espaço universitário festas e celebrações de grande visibilidade e de forte aspecto mercantilista. Também acontecem grupos de estudo, encontros religiosos, debates sobre afirmação da raça e da opção sexual, atividades comunitárias e científicas, porém com menor visibilidade e prestígio. Nesse contexto, o centro acadêmico e o centro esportivo, além das suas finalidades respectivas de engajamento político-estudantil e de organização de práticas esportivas, se constituem importantes espaços de convivência entre estudantes em diferentes períodos da graduação. Com base nesses resultados, discutimos o relacionamento a ser estabelecido entre esses espaços e o currículo universitário, tendo em vista valores de solidariedade, liberdade e deveres sociais.


PDF

Fechar Mais informações

Resenha

Escola e democracia (edição comemorativa). Dermeval Saviani. Campinas: Autores Associados, 2008, 164 p.

Escola e democracia (edição comemorativa). Dermeval Saviani. Campinas: Autores Associados, 2008, 164 p.

*


PDF

Fechar Mais informações

Resenha

Americanismo e fordismo. Antonio Gramsci. São Paulo: Hedra, 2008, 96 p.

Americanismo e fordismo. Antonio Gramsci. São Paulo: Hedra, 2008, 96 p.

*


PDF

Fechar Mais informações

Ensaio

Do controle social à gestão participativa: interrogações sobre a participação política no SUS

Do controle social à gestão participativa: interrogações sobre a participação política no SUS

Este ensaio procura discutir a participação política no SUS a partir da problematização das opções e concepções que orientam sua definição como controle social, operacionalizado por meio de mecanismos de representação de interesses. Desta forma, a intenção de promover uma reflexão sobre a participação política no SUS é remetida ao cotidiano institucional, como desafio de construção de modos de gestão participativos. O conceito de Política que adotamos se define não em termos de igualdade (formal) que se contrapõe às diferenças (sociais), mas como co-produção de realidade que se concretiza nas relações entre igualdade e diferença, como acesso e uso dos bens comuns, em sua capacidade indeterminada e aberta de criação de valor. Pensar a participação nestes termos significa tecer participações como possibilidade de instituir normas, e não apenas como controle da execução e fiscalização das normas existentes. A participação na saúde é pensada, deste modo, a partir do problema de constituição de uma política pública que consiga permanecer aberta e imprevisível, resguardando, contudo, condições materiais de igualdade. Nesse sentido, uma política pública que rompa com os mecanismos da soberania moderna ao incorporar em seus desenhos institucionais a imprevisibilidade da produção normativa, forjando-se como dispositivo ético de produção de valor.


PDF

Fechar Mais informações

Ensaio

Do controle social à gestão participativa: interrogações sobre a participação política no SUS

Guizardi, F. L.

Do controle social à gestão participativa: interrogações sobre a participação política no SUS

Este ensaio procura discutir a participação política no SUS a partir da problematização das opções e concepções que orientam sua definição como controle social, operacionalizado por meio de mecanismos de representação de interesses. Desta forma, a intenção de promover uma reflexão sobre a participação política no SUS é remetida ao cotidiano institucional, como desafio de construção de modos de gestão participativos. O conceito de Política que adotamos se define não em termos de igualdade (formal) que se contrapõe às diferenças (sociais), mas como co-produção de realidade que se concretiza nas relações entre igualdade e diferença, como acesso e uso dos bens comuns, em sua capacidade indeterminada e aberta de criação de valor. Pensar a participação nestes termos significa tecer participações como possibilidade de instituir normas, e não apenas como controle da execução e fiscalização das normas existentes. A participação na saúde é pensada, deste modo, a partir do problema de constituição de uma política pública que consiga permanecer aberta e imprevisível, resguardando, contudo, condições materiais de igualdade. Nesse sentido, uma política pública que rompa com os mecanismos da soberania moderna ao incorporar em seus desenhos institucionais a imprevisibilidade da produção normativa, forjando-se como dispositivo ético de produção de valor.


PDF

Fechar Mais informações